Coluna de Fogo

... e de noite numa coluna de fogo para os iluminar...

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

A Força de um Símbolo

E-mail Imprimir PDF

Lendo algumas matérias na internet, aprendi que a bandeira da Dinamarca é a mais antiga do mundo! O símbolo, também chamado de Dannebrog (tecido dinamarquês) representa aquele povo desde 1219! Óbvio que outras bandeiras existiram antes, mas todas foram substituídas. Mesmo o Brasil, de 1500 pra cá, teve várias bandeiras. O que mais me chama a atenção neste fato é a estabilidade do símbolo. Passados séculos e muitas gerações, os mesmos elementos continuam com sua força, trazendo identidade e representação aos novos filhos da nação. Como pode? Estamos constantemente "evoluindo", levantando novas "marcas" e ideias. Novos símbolos surgem a cada instante e temos a sensação de que as novas ideias podem arrancar nossas raízes. Será? E se mantivermos os mesmos princípios que marcaram nossos ancestrais? Afinal, eles tinham lá suas razões.

Tem um texto que mexe muito comigo, no livro de Levítico: "Diante das cãs te levantarás, e honrarás a face do ancião; e temerás o teu Deus. Eu sou o Senhor." Levítico 19:32. Não preciso nem comentar para que se perceba o quão arrepiante é este verso. O próprio Deus teria dito para se levantar diante da presença de um "cabelo branco" no local. Só de olhar o rosto de um velho já é motivo suficiente para lhe dar honra. Então quem sou eu para lhe mudar os símbolos que marcaram sua sofrida geração? Sou eu mais experiente? Sou eu mais sabedor de todas as coisas? Sou eu melhor que o idoso? Na verdade, sou eu fruto dos símbolos que sustentaram a vida daquele ancião até aqui.

Retornando à Dinamarca, um fato extremamente curiosos é que sua legislação permite queimar a própria bandeira, mas nunca uma bandeira estrangeira. Nesse momento é que começamos a entender a estabilidade do seu símbolo. Pensam no relacionamento com o outro, sem preocupação consigo mesmo, haja vista serem fortes demais para se preocuparem internamente. Deixa eu tentar fazer uma analogia: Imagine que sou muito forte (mas muito mesmo!). Falo para os meus filhos assim: Crianças, vocês podem me machucar à vontade, mas nunca machuquem ninguém fora desta casa. Seja a razão que for, eu vou aguentar, mas o relacionamento de vocês com o mundo lá fora deve ser pacífico. Que símbolo eu seria para os meus filhos? Se suporto todas as mazelas na criação da minha prole, com sabedoria e dor, eles serão pessoas boas e me terão como símbolo maior. Eis a bandeira dinamarquesa, que suporta o fogo e não tolera desentendimentos. E assim perdura o símbolo pelos séculos.

A cruz nórdica branca representa a espiritualidade cristã e o fundo vermelho faz alusão às batalhas dinamarquesas na história. A cruz e o sangue, um símbolo perfeito, estável, forte, hoje levando à Paz. O cristianismo sobrepujando a guerra, formando uma bandeira que leva um povo a sangrar a própria carne, mas não machucar ninguém. Ensinando a queimar a própria bandeira imortal, mas nunca queimar as outras bandeiras, que morrem. Que lição! Voltando a Levíticos, o texto seguinte cuida exatamente do estrangeiro: "E quando o estrangeiro peregrinar convosco na vossa terra, não o oprimireis." Levítico 19:33. Curioso né? Respeito ao passado (cãs) e respeito ao outro (estrangeiros). Aprendi com Deus e aprendi com a Dinamarca, a força de um símbolo.

 

Glauco Machado

 

 

 

 

Adicionar comentário

Seu apelido/nome:
seu email:
Assunto:
Comentário:

Curta o Coluna de Fogo e compartilhe nosso conteúdo

Centelha Diária

Gênesis 7.18

E prevaleceram as águas e cresceram grandemente sobre a terra; e a arca andava sobre as águas.

A arca vagava sobre a destruição… Imagine o mundo sendo destruído e você flutuando sobre a devastação. A fidelidade a Deus é capaz de proporcionar experiências como essa. Enquanto um dilúvio sem precedentes, enviado por Deus, aniquilava a própria criação, os escolhidos bailavam ao sabor das águas, com um senso de segurança jamais imaginado por incrédulos. O mesmo elemento que destruía, sustentava os filhos de Deus. O castigo era para os merecedores, aqueles que criam não deveriam temê-lo. A coluna d'água aumentava a cada instante, por 40 dias, e com ela uma pressão esmagadora sobre a terra. Mas o perfeito formato e vedação da arca, construída sobre orientação do Criador, gerava um empuxo suficiente para que permanecessem na superfície.

Hoje, não é necessário um dilúvio para destruir a terra, o próprio homem está dando conta disso. A diferença é que o homem é incapaz de criar mecanismos de salvação em meio ao caos, tal qual Deus. Mas, ainda assim, em meio às ruínas do homem, Deus tem sustentado os seus, que permanecem emersos, fortes e evidentes, sãos e salvos, prontos para recomeçar quando a crise baixar. Vale a pena confiar

Quem está online

Nós temos 117 visitantes online

Visitantes

9139569
HojeHoje6955
OntemOntem7213
Nesta SemanaNesta Semana6955
Neste MêsNeste Mês73697
TotalTotal9139569

COMPRE O NOSSO LIVRO